quarta-feira, 25 de abril de 2012

Just love...


Porque tanto medo do amor? Acho que são três as causas: a primeira e mais obvia tem a ver com o risco de sofrimento, medo que o elo se rompa,  medo de que o amado fuja do relacionamento amoroso é sentido como tão grande justamente porque o amante também está sentindo muito medo!. O medo da ruptura do elo sentimental parece maior justamente nas relações de ótima qualidade, onde o risco, em teoria, deveria ser mínimo!.
 Uma segunda causa do medo das relações amorosas muito intensas tem a ver com o risco de se perder a individualidade: esse é um problema real por medo de perder o amado, a tendência é a de se fazer concessões indevidas, o que ameaça a individualidade não tão solidamente construída. Como o amor deriva da admiração, surge uma tendência a se adequar aos valores do amado: isso pode gerar concessões e um clima muito exigente Pequenas concessões não ofendem uma individualidade sólida, sempre mais tolerante. O respeito pelas diferenças deve substituir as grandes.
Ao medo de ruptura amorosa e ao que deriva do risco real de perda da individualidade, soma-se o terceiro e mais inesperado: o da felicidade!
Não deixa de ser chocante constatar que o amor intenso e bom pode provocar tanto medo: ele pode ser a causa de tão poucos "finais felizes". Os poucos que não fogem de medo por causa da sensação de que a felicidade traz o embrião da desgraça percebem que, com o tempo, ele diminui. Quando o medo se atenua, sobra o elo amoroso e que tende a ser gratificante e duradouro. Ou seja, o encantamento da paixão não é irracional! O ingrediente irracional que acompanha a paixão e todas as grandes conquistas é o medo da felicidade: o que é bom parece "atrair" desgraça. Os que enfrentarem o medo irracional perceberão que a "felicidade não mata": terão superado forças auto-destrutivas que tanto os prejudicam. Amainado o medo, sobrará uma relação amorosa cordial, de respeito e enorme carinho mútuo. Há quem ache isso pouco e prefira a aventura à paz. 
Quem procura aventura no amor buscará relações conturbadas, quase sempre fundados em grandes diferenças: não creio que seja a melhor saída. Penso que o amor tem a ver com paz e harmonia ao lado de alguém muito especial. Não faltam formas de aventura: no trabalho, nos esportes...

Compilações de pensamentos de Flávio Gikovate




2 comentários:

...quer mesmo saber? disse...

Adorei o texto. Acho que por estar vivendo uma "desilusão", e com medo do término... ;/

Bom fim de semana.
http://joycenoelly.blogspot.com.br/

petit disse...

adorei amoree!