domingo, 12 de junho de 2011

Para que tudo silencie...


No dias feitos para morrer a gente se encontra; silencia
É no silêncio do mundo que podemos ser. Simplesmesmente ser.
No vão entre uma coisa e outra, no meio-tempo entre ser dois e ser um só.
Presos entre o passado, presente e futuro.
Abismos.